Nem sempre a gente percebe

 

(Leia este texto ao som de Dar-te-ei)

– Tá, mas continua. Então você olhou pro lado e percebeu que era hora de bater em retirada?

– Nem sempre a gente percebe. De vez em quando só escutamos alguma coisa berrar dentro do peito. E então vai embora.

– Então como é que foi que tudo terminou assim?

– Eu comprei umas flores baratas e ela esqueceu de me avisar que não ia dar para pegar o cinema naquele dia. Percebi umas horas depois que se eu realmente quisesse, teria investido um pouco mais ao escolher o tipo das rosas. Ela só deu um empurrãozinho praquilo o que eu queria, que era seguir em frente.

– E quanto tempo faz isso?

– Dois anos.

– E de lá pra cá você tá como?

– Me sinto meio perdido no mundo. Às vezes me sinto como se tivesse encontrado um lugar, mas nunca é isso o que eu quero. A graça tá em se perder, não tá?

– Depende da situação.

Respirei fundo antes de tirar os olhos do prato de comida e erguer o pescoço o suficiente do rosto que me fazia falar da vida outra vez.

– Depende, sim. Depende do que a gente sente quando ergue os olhos e esbarra em outros.

Senti o silêncio cortar à navalha cada uma das coisas dentro do peito, mesmo que não soubesse o que realmente sentia, até que me olhou também e disse que.

– Concordo. Não sei exatamente quando isso acontece, não sei onde essas coisas costumam dar também. Mas li num livro uma vez que acontece assim.

Tentei recontar a quantidade de taças de vinho que eu tinha bebido até então para justificar a burra atitude de falar do passado quando tudo o que eu queria era construir algum sentimento novo aqui dentro.

– Aí é que mora a graça, na falta de espera. Você nunca sentiu que o acaso funciona melhor pra gente do que o planejado?

– Senti, uma vez. Foi logo depois de deixar cair a última xícara da casa no chão. Se não fosse por isso, nunca haveria encontrado minha cafeteria preferida no mundo.

– Senti uma vez, também. Esbarrei com a pessoa na fila do supermercado e quis levar para casa para tomar o vinho que havia posto no carrinho, mas só tomei coragem um tempo depois.

– A gente se viu no supermercado uma vez, não se viu?

(Me siga no instagram | facebook | twitter)

Não consegui assimilar dentro da cabeça se ela havia entendido o que eu havia terminado de dizer, se eu havia entendido também, ou se achava acaso.

– Se viu, sim. Mas eu logo olhei pro lado para não parecer um maníaco te encarando.

– E precisou de duas semanas para perceber que talvez não parecesse e você poderia me dizer seu nome?

– Nem sempre a gente percebe. De vez em quando só escutamos alguma coisa berrar dentro do peito. E então fica.

Júlio Hermann

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s