Meu erro foi achar que sabia o que você sentia

(Leia ao som de Anew)

Você teria atravessado a rua para dar um abraço a mais nele se soubesse que era o último; teria dito ao vivo coisas que precisou dizer escondida atrás da tela de um celular, mas não tinha como adivinhar que era a última vez que seus dedos tocavam os dele; daria um jeito de permanecer cinco minutos a mais, ainda que fosse um tempo quase insignificante para a presença e ainda assim botasse sua carreira inteira em risco pelo atraso no compromisso.

Mas a gente nunca sabe. Por que você saberia?

Num dia você estava perto, noutro parecia que um oceano inteiro cobria os trinta quilômetros que separavam sua casa da dele. Seus horários mudaram, os dele igualmente não eram os mesmos e você se afogou com palavras que eram para ter sido ditas, mas não foram.

Deixar a rotina devorar o amor é um dos problemas mais comuns dos nossos dias, disse uma coluna no jornal. Não é mentira. Mentira é viver um amor pensando em quando ele vai chegar ao fim; é tornar o outro uma fonte de felicidade passageira, sem botar a mão no fogo pelo que acontecerá no ano que vem; é olhar para o outro sabendo que poderá haver alguém no lugar dele daqui a pouco.

Você demorou cinco anos para se dar conta que o amor não foi feito para acabar. Um relacionamento com data de validade pode ser chamado de qualquer coisa, menos de amor. Porque o amor pede que você olhe para o outro imaginando um futuro — talvez não aconteça de ficarem juntos, mas ainda assim um futuro; o amor implora que você queira o outro por perto para sempre, ainda que nem sempre aconteça assim.

Se soubesse que teria sido a última vez, você provavelmente teria dito coisas que ficaram entaladas e teria dado abraços que acabaram sendo dos seus travesseiros nas madrugadas de insônia. Porque você acreditava — e acreditar é o primeiro passo do amor. Mas o esforço também é necessário.

Calha de ser assim. A gente nunca sabe quando o outro vai embora da nossa rotina, sempre achamos que estamos nos esforçando o suficiente. Mas nem sempre isso é verdade.

Pelo menos desta vez você aprendeu. O amor acontece agora. E o último abraço é sempre este, nunca o próximo.

Pensar assim te fará amar mais.

Júlio Hermann


Espero que você tenha gostado desse texto. Fique com Deus e tenha semana feliz. Que Maria e teu Anjo te ajudem.

Se você quiser se inscrever na minha newsletter e receber as conteúdo exclusivos clique aqui. É de graça.

*Meu terceiro livro (e primeira ficção) já está em pré-venda. Se você gostou deste texto, tem grandes chances de se identificar com ele.

As duas versões de nós dois (40% de desconto)

As duas versões de nós dois: O amor pode ser uma surpresa | Amazon.com.br

PARA COMPRAR:

Amazon

Submarino

Americanas

Travessa

Para comprar o Tudo que acontece aqui dentro e o Até onde o amor alcança, meus dois primeiros livros (com desconto na Amazon), clique aqui.

_

Foto: Aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.