Você não queria mais amar

(Leia este texto ao som de Saving Grace)

A sua felicidade vai aumentar de tamanho depois da dor. Ainda que ela já exista em algum lugar, eu sei que é difícil reparar nos seus efeitos enquanto a ferida ainda lateja. Seus olhos não se abrem por completo para observar o todo, porque a mente volta a atenção para o que ainda pinica.

Eu contei os segundos dos teus sorrisos naquele dia, para ter uma prova concreta que te mostrasse que o amor ainda pode existir. Você fechava a cara logo depois, quase escondendo os lábios e as bochechas coradas – porque cismava em achar que não merecia sorrir no meio daquele caos. Mas é assim: a gente costuma achar que merece menos do que de fato é.

Resolvi anotar palavra por palavra bonita que você dizia. Escrevi quatro poemas com elas, brincando com a sua tonalidade ora xingando o mundo, ora bendizendo aos céus. Você precisava se enxergar de fora para notar a primavera que se aproximava em ti com o passar do frio.

Te disse em quatro manhãs seguidas que a sua alegria chegaria quando você parasse de vender o próprio coração para coisas tão pequenas.

Porque ele dizia te amar, mas não era o suficiente para te fazer sentir amada. Porque ele até anotava na agenda os compromissos contigo, mas insistia em desmarcar de última hora porque o conforto do sofá era mais agradável que uma noite caminhada no parque. Porque você quase acreditou que a culpa de todas as relações erradas até aqui eram suas.

E eu fiz isso uma vez também.

Quando notei que a felicidade chegaria depois da dor, resolvi colar o curativo e sair a caminhar para pegar um pouco de ar. Você precisava ver a liberdade que é sentir a ferida arder pela solidão de um mundo que se movimenta ao redor.

Sempre que nos prendemos a um esboço de amor que nos priva de ser quem somos, ficamos assim: com o mundo paralisado.

Eu contei os segundos do teu sorriso porque era a primeira vez que me apaixonava desde a minha liberdade. Você, por sua vez, ainda pedia alforria. Então eu precisava te convencer de que dá para ser feliz do lado de fora da cicatriz.

Às vezes o amor calha de deixar marcas, sim. Mas ele surge de um jeito novo para ser o antídoto do estrago que outrora fez.

Quis ser essa cura para você.

Júlio Hermann


Se você quiser se inscrever na minha newsletter e receber as informações do livro novo (que está prestes a sair) clique aqui e se inscreva. É de graça.

*Meu segundo livro está à venda em todo o Brasil. Se você gostou deste texto, tem grandes chances de se identificar com ele.

Até onde o amor alcança

[capa] Até onde o amor alcança - 02.indd
“UM DIA VAI SER AMOR A PONTO DE O CORAÇÃO NÃO PRECISAR CONVENCER O CÉREBRO DISSO.
ATÉ LÁ EU ARGUMENTO”.

PARA COMPRAR:

Amazon (51% de desconto)

Saraiva

Livraria Cultura

Para comprar o Tudo que acontece aqui dentro, meu primeiro livro, com desconto na Amazon, clique aqui.

Créditos da foto aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.