Desde a última vez que a gente se viu

(Leia este texto ao som de Love Will Set You Free)

Eu teria voltado outras quatro vezes a música no celular se o meu peito não fosse acelerar implorando para ter um pouco mais de calma. Senti medo de você cansar – da música e de mim – enquanto os meus pés se esticavam na sua direção e eu não sabia exatamente o que fazer com as mãos.

Eu nunca sei exatamente o que fazer. Não contigo.

Pensar sobre isso me faz recordar os jantares que eu comprei sozinho enquanto estava longe de casa e não entendia que alguma coisa me segurava em mim. Você precisava ver o rosto estático daquela gente, como se as pessoas à volta delas fossem um amontoado de carne e osso, sem coração. Eu queria gritar que “existe amor por aí, caramba, olha em volta”. Mas como eu poderia me fazer entender se a maior cidade do Brasil nunca viu você sorrir?

Eu passei a sentir alguma coisa estranha naqueles dias. Saia com uma blusa a mais enfiada sem modos dentro da mochila para o caso de o frio aparecer. Resolvia que era mais útil levar os documentos todos comigo para o caso de alguma coisa acontecer. Entendia que precisava olhar em volta o tempo inteiro até me sentir seguro para baixar os olhos. Não era a mesma coisa que contigo.

E você sorria.

Nas horas seguintes à última vez que te vi, fiquei confabulando com as paredes para ver se entendia de onde eu havia tirado tanta coragem para te contar tudo. O meu receio era de que você sentisse medo dos meus fantasmas ou do fato de eu não saber como vai ser o futuro. Mas a gente nunca sabe, né? Se um Anjo me contasse sobre a volta que meu mundo daria antes de parar na frente da sua porta outra vez, eu teria rido e pedido para que não brincasse assim com a forma como as coisas se movem por aqui.

Eu senti o meu peito coçar porque nunca soube exatamente como pedir calma a ele em horas como essa. Mas está tudo bem. Você entenderia se tivesse visto o próprio rosto a sorrir; teria decifrado o fim de cada uma das guerras do mundo se percebesse no próprio peito o amor que tem mantido o planeta de pé em tempos como o nosso.

E eu teria sentido menos medo se lembrasse de te dizer que o mundo é um abrigo mais bonito toda vez que te vê por aí.

Júlio Hermann

_

*Meu novo livro já está à venda em todo o Brasil. Se você gostou deste texto, tem grandes chances de se identificar com ele.

Até onde o amor alcança

[capa] Até onde o amor alcança - 02.indd

“UM DIA VAI SER AMOR A PONTO DE O CORAÇÃO NÃO PRECISAR CONVENCER O CÉREBRO DISSO.
ATÉ LÁ EU ARGUMENTO”.

PARA COMPRAR:

Saraiva (com 20% de desconto)

Amazon

Livraria Cultura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.