Se você tivesse perdoado

(Leia este texto ao som de Small Things)

O que teria acontecido se você tivesse pedido perdão? Ou tivesse perdoado?

Talvez sua mente tivesse ficado menos barulhenta nas semanas seguintes; talvez você tivesse agradecido pelo fim. Nós não sabemos exatamente porque nem sempre uma mente tranquila é o oposto de uma cabeça que berra silenciosamente por um pouco de paz.

Talvez o tempo fingisse voltar atrás e vocês ficassem bem. Mas as coisas não seriam exatamente como haviam sido antes, ainda que os dois corações tivessem desejado isso com força. Peitos baleados – como peças de arte que se esfarelam no atrito com o chão – ganham novos significados quando restaurados.

Por quanto tempo vocês teriam conseguido conviver com as cicatrizes aparentes?

Provavelmente a sua confiança estaria abalada e suas mãos não conseguiriam disfarçar o suor brotando da pele pelas demoras nas respostas. Você também se cobraria mais, com medo de colocar um centímetro do pé fora da linha reta imaginária que estaria a percorrer. Será que ainda teria sido amor nesse caso?

Vai ver vocês consertassem tudo e fossem maduros o suficiente para entender que todos nós erramos. Se policiariam mais, mas não permitiriam que um ciúme doentio tomasse posse dos dois. Haveria futuro assim, eu tenho certeza. Pelo menos do tamanho que o futuro de vocês dois deveria ter.

Talvez, ainda, você tivesse seguido em frente com os ombros menos pesados.

Eu sei que colocar o perdão em prática exige uma maturidade absurda de nós. A ferida ainda pulsando, o sangue quente e uma mente que associa a ideia de viver em uma realidade completamente nova outra vez nem sempre nos deixam olhar com caridade para o outro e para nós. Mas nós podemos, ainda que seja na próxima vez.

Se você tivesse perdoado ele, na menor das hipóteses, provavelmente não lembraria de tudo com tanta dor agora, tempos depois. E teria se desculpado por não ter sido intensa o suficiente – ou ter sido intensa demais.

Doeria nos primeiros dias, você se sentiria um lixo por ter cedido o perdão a quem não merecia – seja você ou ele -, mas teria passado depois de um tempo. Hoje a ferida estaria cicatrizada, não escondida. Haveria uma chance enorme de você estar melhor.

Mas, tudo bem, passou.

Ofereça o perdão agora e deixe que a vida se encarregue de dar jeito no resto.

O que será de nós se não nos preocuparmos em perdoar da próxima vez?

Júlio Hermann

_

*Meu novo livro já está à venda em todo o Brasil. Se você gostou deste texto, tem grandes chances de se identificar com ele.

O lançamento oficial acontece no dia 6 de Abril, na Saraiva do Pátio Paulista (São Paulo/SP), a partir das 16h. Te espero lá com um abraço!

Até onde o amor alcança

[capa] Até onde o amor alcança - 02.indd

“UM DIA VAI SER AMOR A PONTO DE O CORAÇÃO NÃO PRECISAR CONVENCER O CÉREBRO DISSO.
ATÉ LÁ EU ARGUMENTO”.

PARA COMPRAR:

Saraiva (com 20% de desconto)

Amazon

Livraria Cultura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.