Teu peito não é à prova de balas

(Leia este texto ao som de The Climb)

O barulho cessa e o silêncio atinge feito arma disparada em direção ao peito. O transpassar da pele não é palpável, mas a dor é verdadeira como o movimento do sangue nas tuas veias. Tu não enxerga, não sente fisicamente, mas sabe que está ali, em movimento.

Você já percebeu o quanto a vida te ensina sem dizer uma só palavra?

Você é grande. Muito. Mas nunca será à prova de balas. Desculpa te dizer isso, mas é a mesma visão que eu tenho de mim de todo ser humano que eu vejo por aí. Personalidades à parte, realidades distintas. As coisas não saíram como gostaríamos que saíssem, mas deixaram um monte de coisas para se edificarem. Para nós dois, para eles.

Que tipo de sonho você tem quando descansa a cabeça no travesseiro e ainda não se permitiu pegar no sono? Quão mais perto você está deles que a madrugada passada? Tudo bem se você deu um passo atrás ou está no mesmo lugar, o importante é perceber o movimento.

Eu estive pensando isso ao refletir sobre as quedas que temos ao longo do caminho. Odiamos cair, não odiamos? Chega a dar raiva da forma com que tratamos a nós mesmos com descaso ao ponto de se permitir ir ao chão. Não faz sentido desabar, que tipo de monstros somos? Nenhum. A dignidade é a mesma daqueles que estão há muito tempo levantados. A diferença está na forma com que nos colocamos em pé outra vez.

Pessoas grandes são aquelas que caíram e se apoiaram nos próprios aprendizados para se manter levantadas dessa vez. Não se preocuparam em entender se os outros caíram da mesma forma – isso não as edifica. Só quiseram ser melhores do que antes. E que os outros sejam também. O mundo inteiro ganha assim.

É bonito pensar sobre isso, mas doloroso.

Por isso o silêncio perfurando nossos corpos e nossa sanidade. O estrago se arrasta e se espalha pelas veias até a gente se sentir um lixo e criar coragem para levantar. O estalo para mudar as coisas é o que diferencia os que aprendem e levantam dos que permanecem no chão.

O silêncio parece incomodo, eu sei. Mas ele pode ser um amigo valioso se você se permitir ouvir o que ele não diz.

Quão longe do seu sonho você estará quando deitar hoje?

Quão mais longe do chão estará depois que levantar da próxima vez?

A vida é sobre cair e levantar infinitas vezes até conseguimos nos manter em pé por uma quantidade maior de tempo.

Júlio Hermann

_

*Meu primeiro livro já está à venda em todo o Brasil. Se você gostou desse texto, tem grandes chances de se identificar com ele.

Tudo que acontece aqui dentro – cartas de amor nunca rasgadas

capa Tudo o que acontece aqui dentro (1)

“Você lê aquilo que sempre quis dizer a alguém – ou a si mesmo -, mas que nunca teve coragem de tirar de dentro de si.” – Daniel Bovolento, autor de Por onde andam as pessoas interessantes? e Depois do fim.
_
Para comprar: 

Saraiva (com 30% de desconto)
Amazon
Livraria Cultura
Livraria da Folha
Martins Fontes
Fnac
Livraria da Travessa
Lojas Americanas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s