Se você precisar

(Leia este texto ao som de Torn)

Se a ansiedade apertar e você não souber direito para onde correr, eu tô aqui. Mesmo que o meu modo de te ajudar não seja exatamente o que você precisa. Mesmo que eu não saiba direito como agir nesses casos.

Às vezes o peito se contrai em uma angústia aguda que fica difícil saber o que fazer, eu sei. Parece que nada ao alcance das mãos vai ajudar, fica a sensação amarga de que o mundo pisa no que estamos sentindo ao invés de ajudar com um pouco de afeto. Nada aparenta estar certo, coisa nenhuma acusa aquilo o que realmente estamos sentindo.

De vez em quando nosso próprio peito se fecha em si mesmo e se torna complicado identificar exatamente o que está acontecendo dentro da gente. Dizem que é drama, dizem que é falta de certeza, dizem que é uma dorzinha pontual que brota dentro da gente por pensarmos demais no que tem acontecido conosco. Mas não é nada disso. As pessoas não entendem.

Quando a mente resolve sabotar nossa própria existência, não temos muito o que fazer. Esperamos sentados, corremos uma maratona, estendemos a série na academia para fazer o corpo doer e desviarmos o foco de uma dor que não é palpável. Talvez não seja exatamente esse o caminho.

Tudo o que é nosso parece ser culpa da gente.

Tudo o que é dos outros parece ter nossa parcela de culpa também.

(Me siga no instagram | facebook | twitter)

Ansiedade. Medo. Pavor. Uma agonia brava que nos faz olhar para o espelho com a sensação de enxergar um borrão estranho a nossos próprios olhos. Tudo isso por medo de abrirmos o que é nosso para os outros. Tudo isso porque não sabemos ao certo o que é real ao ponto de sair da nossa boca.

Mas a gente se salva.

Dizem por aí que a melhor maneira de se livrar de algo que acorrenta a gente é colocando para fora. Então, eu tô aqui, viu? Nem que seja para você colocar para fora em um choro soluçado que não diz nada e ainda assim escancara tudo. Nem que seja no silêncio libertador de uma companhia exclamativa.

Só não guarda tudo pra si. Da saudade ao que te prende a respiração. Do que é teu e do que é causa dos outros.

Porque te enxergar feliz é importante para mim.

Júlio Hermann

* Esse texto é sobre o Setembro Amarelo. Coloque-se à disposição de quem você ama para conversar. Encare as angústias alheias com seriedade. Você não conhece os lobos que uivam na mente de quem convive com você. Então, se for para oferecer alguma coisa, que seja uma presença voluntária e amor. No fim das contas, isso nos liberta também.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s