Medo de amar é o caralho

(Leia este texto ao som de There For You)

Chego em casa depois de mais um dia cansativo e paro para conversar com um amigo. “Não tem dado certo”, diz ele. “Falta tempo. Não sei o que vou fazer, como eu tenho que agir quando as coisas fogem assim do meu controle. Parece que o peito acelera e eu não sei o que fazer com o que acontece dentro dele. Melhor deixar passar”.

Tá errado.

Vivemos em uma geração que decidiu crucificar o amor por não parecer fácil amar. Se quem se ama mora longe, é melhor esquecer. Se a pessoa que revira o coração da gente do avesso tem passado por um momento complicado, xô pra lá o fardo alheio. Se estamos em um momento de ascensão no trabalho, melhor não deixar alguém entrar agora para não desviar o nosso foco.

E onde entra o realmente faz a vida valer a pena nisso tudo?

De vez em quando esquecemos que depois de deitar a cabeça no travesseiro já não importam os boletos, a promoção no emprego, a hora extra no fim do turno, as filas nos bancos e o tanto de vezes que precisamos refazer os relatórios ao longo do dia. Importa o que a gente sente. O modo descompassado com que o peito pulsa por aquilo o que amamos.

Algumas vezes na vida esquecemos que se não fosse por amor não estaríamos aqui. Dia mais, dia menos, vai acontecer com a gente. Talvez esteja acontecendo agora, mas estamos preocupados demais em nos privas de ter que dividir o que é nosso com os outros que esquecemos de nos entregar para que merece o que somos.

O segredo todo está em se doar. Mesmo que você se pegue de volta depois, entrega o peito para quem você achar que vale a pena. Mesmo que sinta medo do que pode acontecer na frente, não viva com a dúvida entalada na subida da traqueia.

(Me siga no instagram | facebook | twitter)

Depois de um tempo percebemos que o amor faz a doação, a falta de tempo, as tarefas que ficaram para trás não merecerem tanta atenção assim. Não é pesado ser pelos outros quando o nosso peito já não para nós também.

Digo para ele que vale a pena, sim. Vale insistir, mesmo que haja distância. Eu insisto. Boto as cartas na mesa comigo mesmo e admito sentimento. Às vezes o que precisa passar é a indisposição chata que temos em achar problemas que não são importantes assim quando podemos ser felizes.

Júlio Hermann

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s