Não sei como as coisas vão ser

(Leia este texto ao som de Sleepwalker)

Me procurou mais cedo para saber como vai a vida e perguntou como as coisas vão ser daqui para frente. É dolorido não saber o que dizer nessas horas, mas acho que a gente nunca sabe mesmo.

Disse que se colocava à disposição para ajudar a arrumar a bagunça aqui dentro. Mas a confusão na cabeça é inteiramente minha. Não é nem um pouco justo arrastar alguém para dentro do turbilhão de infinitos que colidem o tempo inteiro aqui dentro.

Cada um por si e eu por mim mesmo? Não sei se tenho certeza absoluta disso, nem sei se chegamos a ter em algum momento. Já percebeu que a disposição em ajudar faz melhor para gente do que a pressão chata de querer mudar o universo por nós? Ela percebeu isso. E foi nessa hora que eu me dei conta do verdadeiro motivo de eu a ter amado tanto até aqui.

Coloca um pouco mais de calma na vida, nem que seja para a cabeça discernir e a alma inundar com um pouco mais de tempo. Eu tenho, veja bem, disseram esses dias que eu tenho pelo menos mais seis décadas de vida. O que é tirar um tempo disso tudo agora para pensar em como as coisas vão ser daqui por diante? Mas sem adiantar demais, porque nada é definitivo também.

O que eu não tenho conseguido fazer é me enxergar aqui nos próximos tempos. Pelo menos não dessa mesma forma. Nem é tanto assim desejo de mudar e deixar de ser o que eu tentei com unhas e dentes até aqui. É só uma certeza absoluta de que o que está guardado para mim vem para fazer estrondo aqui dentro, mesmo que em silêncio. E isso não é necessariamente ruim.

(Me siga no instagram | facebook | twitter)

Não posso prometer que as coisas vão ser exatamente como eu dizia um tempo atrás, ano antes de a gente deixar de se esbarrar em toda vez que vida colocava o pé no freio. Hoje ela já não mora na cidade, eu também não moro em mim. Não aprendi o suficiente, nem encontrei nada para dizer. Mas a gente nunca sabe mesmo.

Só sei que o que há de vir tem força.

E que a única coisa que eu desejo da vida é que sorria para nós, estando onde estivermos.

Júlio Hermann

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s