O sentimento permanece aqui dentro

(Leia este texto ao som de I’m Not The Only One)

Sonhei com ela dia desses. Foi num dos poucos lapsos de memória que consigo trazer comigo depois de acordar. Raramente lembro de alguma coisa logo após levantar para a vida outra vez, raramente me permito tocar assim também.

Desde a última vez que a gente se esbarrou, sou um alguém completamente diferente. Foi numa sexta-feira de julho, três graus do lado de fora. Ela bateu aqui em casa para perguntar como iam as coisas. Não soube muito o que dizer para ela na hora, não consegui reagir de um modo menos gelado do que o tempo lá fora.

Na noite seguinte, com o cheiro dela ainda em mim, guardei o casaco no cabide para me permitir sentir alguma coisa outra vez. Doeu para caramba por um longo tempo, quase implorei a vida para que acelerasse o passo e fizesse tudo isso passar de uma vez. Mas as coisas não funcionam de uma hora para a outra.

Três meses depois, um pouco mais quente, só Deus sabe como eu orei pedindo aos céus para que passasse a febre do lado de lá. Eu não consigo colar aí para te ajudar, mas quem sabe os joelhos cravados no chão consigam mexer alguma coisa do lado dentro que eu não conseguiria sozinho.

Continuei assim por um bom tempo, até que o ácido parou de doer um pouco aqui dentro. O que pinica a gente continua ali, mas aprendemos a deixar quietinho para não acordar conosco todos os dias e fazer as pernas fraquejarem.

(Me siga no instagram | facebook | twitter)

Por mais que tenha sido estranho, por mais que eu não costume encarar as coisas desse modo quando levanto da cama com um leve resquício de saudade, eu não consegui discernir as coisas com clareza dessa vez. Vai ver tenha acordado o que estava dormindo aqui dentro, vai ver nunca tenha dormido e eu só não tenha dado tanta atenção assim nos últimos tempos.

O que aprendemos depois de um tempo é que as coisas não morrem dentro da gente. Podem ficar quietas por um tempo, mas as memórias boas sempre serão mais fortes que a nossa vontade de aplicar eutanásia de uma vez.

Júlio Hermann

2 comentários sobre “O sentimento permanece aqui dentro

  1. Carolina Ernandez de Lima disse:

    Suas crônicas, elas são incríveis… Procuro entrar toda semana aqui e isso já faz algum tempo e de alguma forma me faz sentir bem. É isso é estranho pq alem de me fazer bem, eu procuro tbm ler essas crônicas e aproveitar as musicas indicadas e fazer um áudio e simplesmente guardar.. para depois de um tempo ouvir em um momento qualquer… (gostaria q pudesse me mandar um email, para falarmos sobre elas..)

    Curtir

  2. Nadine disse:

    Vai ver tenha acordado o que estava dormindo aqui dentro , sim realmente foram as palavras mais quentes que ouvi nessa noite fria , e talvez as verdades que escondo por trás de belos sorrisos !
    Excelente texto , meus sinceros parabéns 😉😉

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s